03/12/2021

Clique aqui para ler a coluna Responsabilidade Social e Ética, o artigo Vestir azul, por Lucila Cano.

 
Reinaldo Passadori
As idéias expressas pelo autor não refletem, necessariamente, a opinião do Jornal da Comunicação Corporativa e de seus editores.

Diálogo interno: entrevistar a si mesmo
16/04/2013 - 10:17:17

O momento em que vivemos, caracterizado por mudanças sociais de toda ordem, turbulências econômicas, competitividade, e, sobretudo, pela corrida acirrada em favor do tempo, nos leva a valorizar o mundo externo, deixando muitas vezes, uma lacuna em nós mesmos. Esta falha, ou vazio, poderá ser preenchida pelo diálogo interior, que, com alguns instantes de dedicação fará toda diferença em nosso comportamento e em nossa qualidade de vida.

Para muitas pessoas, comunicar-se significa apenas interagir com os outros, no entanto, é primeiramente, uma interação consigo mesmo. Refiro-me a comunicação intrapessoal, uma dimensão capaz de nos levar a uma ‘’visita em nossa casa’’, em nosso mundo interior, pois, a partir do diálogo com você, é possível uma melhor interação com o mundo externo.

Nesse processo, a pessoa que exercita sua comunicação intrapessoal adquire uma consciência de sua presença, do que está sob seu poder de controle e mudança e do que não está. Ela sabe, por exemplo, que pode controlar as próprias emoções, mas não pode controlar as dos outros. Pode controlar sua decisão, mas não as consequências derivadas dela.

No exercício de uma comunicação consigo mesmo, para obter respostas ao diálogo interior, é preciso se perguntar, ainda que muitas perguntas sejam consideradas conflitantes, como: ‘’eu senti inveja? ’’, ‘’tive raiva, ciúmes? ’’, ‘’ fiquei frustrado? ’’, ‘’tive medo?’’, ‘’me coloquei além das expectativas?”, ‘’fui inocente?’’, e outras indagações que podem trazer algum desconforto. Devemos enfrentá-las, pois além de obter respostas elas também funcionam como estímulos para provocar pensamentos e reflexões.

No processo de comunicação intrapessoal todas as perguntas que nos fazemos, por mais simples ou desagradáveis que sejam, objetivam nos depararmos com o nosso íntimo.

Sugiro a você algumas questões para sua primeira ‘’entrevista’’ consigo mesmo, porém, tenha em mente que elas servem apenas para ‘’abrir-lhe a porta’’ e você deve ‘’entrar’’. São exercícios de autoconhecimento, para levá-lo a ser ‘’mestre de si’’.

Outras questões certamente surgirão a partir de seu próprio repertório de vida; inclua-as a cada prática. O ideal é não pensar muito para responder, para que seus bloqueios psicológicos não se ergam e impeçam o ‘’aquecimento’’ desta conversa. Se desejar, anote suas resposta e reações para cada questão.

As interpretações de si que gradativamente você passará a desenvolver, lhe permitirão a realização e busca cada vez mais refinada de seus pensamentos e atitudes, razão pela qual comparo este breve estudo com a Pedagogia de Sócrates: ‘’Conhece-te a ti mesmo. ’’

Pergunte-se, avalie-se converse com você:

Quem é você?

·         Como está sua vida hoje?

·         Você se considera feliz?

·         O que as pessoas pensam de você?

·         Você tem muitos amigos?

·         Quantas pessoas a sua volta se preocupam realmente com você?

·         Você se julga uma pessoa tímida?

·         Você consegue olhar nos olhos das pessoas?

·         Quando alguém lhe faz uma pergunta inesperada, como você reage?

·         Você é sincero consigo mesmo?

·         Você dá a sua opinião quando solicitado?

·         Você se sente frustrado por não ter dito o que pensava em uma reunião de trabalho ou com os amigos?

·         Você está pensando antes de responde a estas perguntas?

·         Você é do tipo que só se manifesta quando solicitado?

·         Você costuma dizer o que pensa?

·         Você fala com naturalidade com pessoas de nível hierárquico superior ao seu?

·         E com pessoas de nível hierárquico inferior?

·         Você tem medo de enfrentar situações novas?

·         Como você está se sentindo com estas perguntas?

Esta autoavaliação é um instrumento que favorece as respostas que muitas vezes parecem tão difíceis de serem respondidas, mas que são ouro para indicar suas qualidades, seus defeitos; o que o perturba, o que liga seu sinal de alerta, enfim, gera controle de emoções, tolerância, respeito próprio, visão de suas qualidades e melhor percepção dos outros.

Desfrute deste questionário para olhar-se como se você fosse outra pessoa lhe observando. As respostas e pensamentos são exclusivamente seus. Use de toda sua sinceridade às perguntas, pois, dessa forma, enxergará a pessoa que você é, com um olhar acolhedor e principalmente, sem autocrítica.



Reinaldo Passadori Fale Comigo Artigos Anteriores
Busca